Théo-Filho era um dos escritores mais lidos no Brasil nos anos 20. Seus livros e crônicas, descrevendo a boemia parisiense e os vícios da elite brasileira, escandalizavam os moralistas. Consagrado muito cedo, o romancista-jornalista se voltou para o tema da praia no Rio de Janeiro. Entre 1925 e 1940, à frente do semanário Beira-Mar, Théo-Filho foi o intelectual que mais escreveu sobre assuntos balneários. Fez a apologia das banhistas, do bronzeamento, da exigüidade dos maiôs, do verão carioca, do turismo, dos esportes, do futebol na areia, dos clubes praianos e dos postos de salvamento de Copacabana, na época em que os banhos de sol se introduziam no repertório dos divertimentos ao ar livre. Théo-Filho produziu sua contribuição à praia de banhos brasileira durante uma vasta inflexão na história dos costumes, quando mudavam os padrões sociais de apreciação da nudez dos corpos, da pele morena e do calor tropical.


sexta-feira, 20 de abril de 2018

"O Dia do Banhista"

.
No 28 de dezembro se comemorava o dia dos guarda-vidas do Serviço de Salvamento. No Clube dos Marimbás, junto ao pessoal dos postos, estavam presentes o prefeito Olimpio de Mello, o deputado Amaral Peixoto, o capitão João Alberto, o vereador Alceu de Carvalho e o dr. Ismael Gusmão, chefe do Posto de Assistência de Copacabana. 2 de janeiro de 1937, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 17 de abril de 2018

"Copacabana Club"

.
“O campeão sul-americano, Xavier, inscrito nas próximas provas do Copacabana Club” vence uma corrida de 100 metros rasos. 12 de dezembro de 1936, p. 8. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 13 de abril de 2018

"Ciclista"

.
O “maillot” de banho, curto e colante, inteiramente legitimado sobre as areias e entre as ondas, aos poucos se insinuava pelas vizinhanças da orla. 5 de dezembro de 1936, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 10 de abril de 2018

"Batismo de sol e champanhe"

.
A “baratinha” do piloto Antonio da Silva Campos, concorrente no Circuito da Gávea, batizada de Copacabana pela madrinha Zilda Eloy. 5 de dezembro de 1936, p. 3. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 6 de abril de 2018

"Babey e Ofélia"

.
Nadadoras do Tijuca Tennis Club. 28 de novembro de 1936, p. 3. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 3 de abril de 2018

"Na Igrejinha"

.
“Uma sereia do Posto VI”. Com a construção do Forte de Copacabana, desapareceu a Igrejinha, mas o lugar continuou por muito tempo associado a esse nome. 7 de novembro de 1936, suplemento, p. 6. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 30 de março de 2018

"Antes do banho de mar..."

.
“... o descanso na areia”. 7 de novembro de 1936, suplemento, p. 6. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 27 de março de 2018

"Socorro Balneário"

.
Sede da Sociedade de Socorros Balneários, fundada em 1902 por iniciativa de moradores de Copacabana e presidida pelo dr. Cunha Cruz. Cinco anos depois estava abandonada. 7 de novembro de 1936, suplemento, p. 6. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 23 de março de 2018

"Há vinte anos"

.
“Grupo elegante do Leme, na época em que eram assim as roupas de banho”. O encurtamento da indumentária praiana foi rápido. Os banhistas da foto foram contemporâneos da discussão em torno do direito à exposição dos joelhos... 7 de novembro de 1936, suplemento, p. 5. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 20 de março de 2018

"Na praia"

.
Sorvete? 7 de novembro de 1936, suplemento, p. 3. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 16 de março de 2018

"Beira-Mar Suplemento"

.
Às vésperas da edição especial de aniversário, os editores de Beira-Mar distribuíam gratuitamente um suplemento em formato reduzido, tendo em vista um público de milhares de novos moradores de Copacabana, Ipanema, Leme e Leblon. Leia mais no Capítulo 59. 7 de novembro de 1936, suplemento. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 13 de março de 2018

"Casa Boa Vista"

.
Rua Siqueira Campos, 91. Proprietários de bicicletas e motocicletas encontravam serviços de manutenção disponíveis dos bairros da CIL. 7 de novembro de 1936, p. 111. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 9 de março de 2018

"Casa Estrella"

.
Anúncio de Américo Tavares Estrella & C., oficina para “bicicletas, velocípedes, carrinhos de criança e acessórios”, à rua Teixeira de Mello, 71, Ipanema. 7 de novembro de 1936, p. 109. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 6 de março de 2018

"Nossos amiguinhos"

.
Pais encomendavam fotos dos filhos a fotógrafos profissionais de sucesso, como era o caso de Rafael, “o gigante do claro-escuro”. 7 de novembro de 1936, p. 108. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 2 de março de 2018

"Garota formidável"

.
“A robusta Margarida, filhinha do casal Celeste - José da Cunha Barros”. Leitores de Beira-Mar enviavam fotos de seus bebês para publicação no jornal, num tempo em que se acreditava em eugenia. 7 de novembro de 1936, p. 107. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

"Garage Barcellos"

.
Crescia a frota de automóveis no bairro “aristocrático”. 7 de novembro de 1936, p. 106. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

"Bar e Restaurante Embassy"

.
Situado no último andar do Edifício Ceará. Mesas ao ar livre compunham um estilo de vida praiano. 7 de novembro de 1936, p. 105. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

"Edifício Dourado"

.
Rua Visconde de Pirajá, 571. 7 de novembro de 1936, p. 103. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

"Santa Catarina"

.
Banhistas na praia de Cabeçudas. 7 de novembro de 1936, p. 102. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

"Santa Catarina"

.
Praia de Cabeçudas, perto de Itajaí. 7 de novembro de 1936, p. 102. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

"Praias de Santos"

.
Praia do Gonzaga, com seus jardins. 7 de novembro de 1936, p. 101. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

"Praias de Santos"

.
Marco comemorativo do 4º Centenário da Colonização do Brasil. 7 de novembro de 1936, p. 101. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

"Copacabana de outrora"

.
Em foto de 1910, Copacabana sem arranha-céus. 7 de novembro de 1936, p. 94. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

"Ponta de Pedras"

.
Praia de Goiana, Pernambuco. 7 de novembro de 1936, p. 75. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

"O mar em fúria"

.
As ressacas, como essa na praia do Flamengo, constituíam uma ameaça constante às vias litorâneas cariocas, destruíam amuradas e geravam despesas para a municipalidade. Mas atraíam espectadores, apreciadores dos horrores naturais. Leia mais no Capítulo 28. 7 de novembro de 1936, p. 74. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

"Gente tijucana"

.
“Ao centro, Lygia Cordovil, entre nadadores do Tijuca Tennis Club. Beira-Mar não era apenas um jornal de Copacabana, era também um jornal da elite carioca. 7 de novembro de 1936, p. 73. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

"Filial Chevrolet de Copacabana"

.
Prédio em construção à rua Salvador Correa (futura Princesa Isabel). O bairro “aristocrático” tinha clientela bastante para que uma marca de automóveis abrisse ali uma loja de vendas e prestação de serviços. 7 de novembro de 1936, p. 62. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

"Uma visão encantadora..."

.
“... do Estado de Alagoas que a arte magistral de Ismael Accioly denominou: Tardinha no Pontal da Barra”. Mais do que um jornal de Copacabana, Beira-Mar se apresentava já como um jornal das praias. 7 de novembro de 1936, p. 62. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

"Em todas as praias"

.
“Se estas garotas americanas conhecessem as praias cariocas!... Como ficariam mais bonitas ainda! Forçosamente adeririam ao ‘Vencedor’ que, indubitavelmente, na graça da forma e na perfeição da malharia bateu qualquer maillot do mundo. E como não ser assim? Se temos as mais belas praias do Universo, é natural que a indústria da nossa terra, para servir ao banho, tenha atingido o mais alto grau de perfeição e um alto serviço de beleza”. As praias de banho, tendo Copacabana à frente, tornavam-se um quesito no qual o Rio de Janeiro se sentia confiante para competir internacionalmente. 7 de novembro de 1936, p. 59. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

"Um dos novos..."

.
“... e confortáveis ônibus, marca ‘Volvo’, de que se compõe a frota da ‘Viação Carioca’, de propriedade do Sr. Mario Bianchi”. 7 de novembro de 1936, p. 54. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

"Franco-Brasileiro"

.
Um dos muitos colégios particulares cilenses que freqüentavam as páginas de Beira-Mar. 7 de novembro de 1936, p. 50. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

"A Cinta Moderna"

.
A publicidade, a serviço da indústria da moda, ajudou a difundir o modelo de corpo desejado por todos. 7 de novembro de 1936, p. 49. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

"Maillots"

.
O “maillot” se tornou objeto do desejo. E, junto com ele, o corpo – belo, jovem, saudável, desejável, feliz – tal como sugerido na publicidade. 7 de novembro de 1936, p. 47. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

"O maillot"

.
“O maillot tem hoje em dia a autoridade irrefutável de uma prenda clássica” – afirmavam os editores de Beira-Mar. Quase uma instituição. 7 de novembro de 1936, p. 44. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

"As praças ajardinadas à beira-mar"

.
Praça Cardeal Arcoverde, em Copacabana, antiga praça Sacopenapã. Sobre praças da Cil: BERGER, Paulo. Dicionário histórico das ruas do Rio de Janeiro – V e VI Regiões Administrativas. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1994. Foto: 7 de novembro de 1936, p. 43. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

"As praças ajardinadas à beira-mar"

.
Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, antiga praça Coronel Valadares. 7 de novembro de 1936, p. 43. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

"As praças ajardinadas à beira-mar"

.
Praça General Osório, em Ipanema, antiga praça Ferreira Vianna. 7 de novembro de 1936, p. 43. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

"Campeãs do Tijuca T. C."

.
“Senhorinhas Neusa e Lygia e, formando a trindade, Lygia, Airéia e Dulce, tão queridas no Tijuca Tennis Club”. Nadadoras tinham prestígio no jornal da praia. 7 de novembro de 1936, p. 42. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

"Preparando a geração de hoje"

.
“Grupo tirado por ocasião da inauguração do Club Gymnastico e Athletico José Floriano Peixoto, o primeiro que surgiu em Copacabana”. A foto deve ser de 1907, data do aparecimento do clube. Sobre Zeca Peixoto: MELO, Victor Andrade de. Dicionário do Esporte no Brasil – Do século XIX ao início do século XX. Campinas: Autores Associados, 2007. Publicação da foto: 7 de novembro de 1936, p. 41. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

"Vista aérea do Arpoador"

.
A ponta do Arpoador, “que os poetas cantavam com ênfase parnasiana, comparando-a ao bico de um condor que descansasse de um vôo de milhares de anos”, nas palavras de Théo-Filho, no romance Praia de Ipanema. 7 de novembro de 1936, p. 31. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

"No Arpoador"

.
A voga dos banhos de sol aproximou os aquáticos das areias. 7 de novembro de 1936, p. 29. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 28 de novembro de 2017

"Na piscina"

.
Com a tomada das areias por multidões de banhistas nos fins-de-semana, segmentos da “aristocracia” copacabanense procuravam nas piscinas dos clubes e do Copacabana Palace uma forma de distinção. Leia mais no Capítulo 72. 7 de novembro de 1936, p. 28. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

"Na piscina"

.
Nos clubes desportivos e nos estabelecimentos de ensino, as piscinas ganhavam crescente número de freqüentadores. 7 de novembro de 1936, p. 28. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 21 de novembro de 2017

"Copacabana à hora do banho"

.
Por essa década, banhistas de Copacabana estavam habituados ao sol de meio-dia e ignoravam esportivamente o horário oficial do banho de mar. 7 de novembro de 1936, p. 27. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

"Moderna higiene da infância"

.
“Solário e clínica infantil do dr. Massillon Sabóia, à Av. Vieira Souto”. 7 de novembro de 1936, p. 27. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 14 de novembro de 2017

"Horas de música"

.
Alunos da pianista Zilah de Moura Brito, em audição no palacete da Sra. Schwartz, em Copacabana. 7 de novembro de 1936, p. 26. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

"Tennis"

.
Quadras do Rio de Janeiro Country Club, “um dos mais elegantes e confortáveis centros de mundanismo de nossa capital”, onde “sportistas de ambos os sexos” podiam praticar “o nobre sport da raquete em pleno ar livre”. 7 de novembro de 1936, p. 25. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 7 de novembro de 2017

"Flagrantes das favelas de Copacabana"

.
A crescente visibilidade das favelas cariocas incomodava as elites letradas. 7 de novembro de 1936, p. 22. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

"Flagrantes das favelas de Copacabana"

.
“(...) vão surgindo, nas encostas dos morros que emolduram a paisagem, as deselegantes favelas de casebres de telhado de folha de Flandres (...)”. 7 de novembro de 1936, p. 22. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 31 de outubro de 2017

"Flagrantes das favelas de Copacabana"

.
“(...) onde se escondem as misérias do bairro mais chic do Brasil”. 7 de novembro de 1936, p. 22. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).