Théo-Filho era um dos escritores mais lidos no Brasil nos anos 20. Seus livros e crônicas, descrevendo a boemia parisiense e os vícios da elite brasileira, escandalizavam os moralistas. Consagrado muito cedo, o romancista-jornalista se voltou para o tema da praia no Rio de Janeiro. Entre 1925 e 1940, à frente do semanário Beira-Mar, Théo-Filho foi o intelectual que mais escreveu sobre assuntos balneários. Fez a apologia das banhistas, do bronzeamento, da exigüidade dos maiôs, do verão carioca, do turismo, dos esportes, do futebol na areia, dos clubes praianos e dos postos de salvamento de Copacabana, na época em que os banhos de sol se introduziam no repertório dos divertimentos ao ar livre. Théo-Filho produziu sua contribuição à praia de banhos brasileira durante uma vasta inflexão na história dos costumes, quando mudavam os padrões sociais de apreciação da nudez dos corpos, da pele morena e do calor tropical.


terça-feira, 31 de janeiro de 2012

“Banhistas da praia de Icaraí”

.
A alegria do contato com as ondas durante o banho de mar. 15 de setembro de 1929, p. 7. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

“A última domingueira do Atlântico Club”

.
Enquanto os “maillots” curtos e colantes avançavam sobre as areias, a moda feminina para os salões de baile subia o limite das saias até a altura dos joelhos. 15 de setembro de 1929, p. 3. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

“A última domingueira do Atlântico Club”

.
“Noite dançante oferecida por Mlle. Guiomar Cruz”, madrinha dos atletas do clube do Posto VI. 15 de setembro de 1929, p. 3. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

“Águias de Copacabana”

.
Foto tirada provavelmente do alto da Vila Rica, na direção do Posto VI. Quando se iniciava a era dos prédios de apartamentos em concreto armado, Copacabana era um bairro horizontal densamente construído. 25 de agosto de 1929, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

“Águias de Copacabana”

.
O Centro Excursionista Brasileiro promovia passeios pelas montanhas da cidade do Rio de Janeiro e da região serrana. Aqui, sócios copacabanenses do CEB ao fincar seu pavilhão no topo do morrinho do Inhangá. 25 de agosto de 1929, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

“A gentil senhorinha Célia Negri”

.
Através da coluna “Beira-Mar em Icaraí”, o jornal da zona sul carioca começou a publicar fotos de praianas de Niterói. 4 de agosto de 1929, p. 2. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

“A festa campestre do Praia Club”

.
“Em pose especial para Beira-Mar, durante o delicioso convescote do Praia Club nas matas da praia do Vidigal”. 28 de julho de 1929, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

“Potins”

.
“O sorriso fascinante da senhorinha Elisa Paes Barreto”. 28 de julho de 1929, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

“Em casa da poetisa de Água dormente”

.
“No dia 10 do corrente Maria Sabina de Albuquerque, a festejada poetisa de "Água Dormente", abriu os seus salões do palacete da rua Bulhões de Carvalho, 136, para uma noite de arte encantadora”. 21 de julho de 1929, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).