Théo-Filho era um dos escritores mais lidos no Brasil nos anos 20. Seus livros e crônicas, descrevendo a boemia parisiense e os vícios da elite brasileira, escandalizavam os moralistas. Consagrado muito cedo, o romancista-jornalista se voltou para o tema da praia no Rio de Janeiro. Entre 1925 e 1940, à frente do semanário Beira-Mar, Théo-Filho foi o intelectual que mais escreveu sobre assuntos balneários. Fez a apologia das banhistas, do bronzeamento, da exigüidade dos maiôs, do verão carioca, do turismo, dos esportes, do futebol na areia, dos clubes praianos e dos postos de salvamento de Copacabana, na época em que os banhos de sol se introduziam no repertório dos divertimentos ao ar livre. Théo-Filho produziu sua contribuição à praia de banhos brasileira durante uma vasta inflexão na história dos costumes, quando mudavam os padrões sociais de apreciação da nudez dos corpos, da pele morena e do calor tropical.


terça-feira, 29 de janeiro de 2013

“A nageuse Odília Azevedo”

.
“(...) segunda colocada em Santa Luzia”. Estava em curso a eleição das “mais belas praianas do Rio e de Niterói”, promovida por Beira-Mar, em sutil resposta à campanha da polícia moralizadora de Batista Luzardo. Leia mais no Capítulo 50. 12 de abril de 1931, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

“A graciosa senhorinha Carmen Cardoso”

.
“Vendeuse da conhecida casa Vieira Nunes, à Avenida Rio Branco, uma das mais votadas no atual concurso para Rainha da Mi-Carême”. Findo o verão da repressão balneária, começaram os concursos de beleza feminina. 22 de março de 1931, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

“Depois do mergulho”

.
“Aí vêm as graciosas praianas a tiritar, já friorentas”. 22 de março de 1931, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

“Uma linda praiana...”

.
“... que faz sempre sucesso, quando aparece”. 22 de março de 1931, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

“A bonequinha...”

.
“... que sorri à beira-mar...”. 22 de março de 1931, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

“Antes do banho”

.
“O passeio elegante pelas alvas areias que sabem guardar todos os segredos”. 22 de março de 1931, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

“Agora, só de roupão”

.
Ao final do verão, Beira-Mar, a exemplo dos colegas de imprensa, encerrou a série de protestos contra a campanha policial de moralização das praias de banho. 15 de março de 1931, p. 5. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

“Posto VI...”

.
“... à saída do banho”. 15 de março de 1931, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

“Intermezzo familiar...”

.
“... entre dois mergulhos”. 15 de março de 1931, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).