Théo-Filho era um dos escritores mais lidos no Brasil nos anos 20. Seus livros e crônicas, descrevendo a boemia parisiense e os vícios da elite brasileira, escandalizavam os moralistas. Consagrado muito cedo, o romancista-jornalista se voltou para o tema da praia no Rio de Janeiro. Entre 1925 e 1940, à frente do semanário Beira-Mar, Théo-Filho foi o intelectual que mais escreveu sobre assuntos balneários. Fez a apologia das banhistas, do bronzeamento, da exigüidade dos maiôs, do verão carioca, do turismo, dos esportes, do futebol na areia, dos clubes praianos e dos postos de salvamento de Copacabana, na época em que os banhos de sol se introduziam no repertório dos divertimentos ao ar livre. Théo-Filho produziu sua contribuição à praia de banhos brasileira durante uma vasta inflexão na história dos costumes, quando mudavam os padrões sociais de apreciação da nudez dos corpos, da pele morena e do calor tropical.


terça-feira, 29 de abril de 2014

“Posto VI”

.
“Os inocentes prazeres da praia. A moça do centro parou um momento o seu jogo de ‘diavolo’. A da direita jogava peteca e também interrompeu o seu jogo. A da esquerda, que acabara de chegar da missa, preferiu sentar-se na areia”. O "diavolo", parente do ioiô, é mais conhecido como diábolo ou diabolô. 16 de setembro de 1933, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 25 de abril de 2014

“A pesca de arrastão em Copacabana”

.
“São quase diárias, e são sempre abundantes, por vezes abundantíssimas, as pescarias do bravo pessoal da Colônia Z 9 (...)”. 16 de setembro de 1933, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 22 de abril de 2014

“A pesca de arrastão em Copacabana”

.
Como ocorrera na Europa, a noção de “pitoresco” ajudou o público praiano cosmopolita de Copacabana a lidar com as comunidades praianas que habitavam o lugar antes da chegada dos banhistas. Leia mais no Capítulo 56. 16 de setembro de 1933, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 18 de abril de 2014

“A pesca de arrastão em Copacabana”

.
“Um dos espetáculos que mais despertam a atenção e a simpatia de Copacabana e demais bairros praieiros é, sem dúvida, a pescaria a que se dedicam, por dever de ofício, os integrantes filiados à Colônia Z 9, instalada à vista da enseada da Igrejinha (...)”. 16 de setembro de 1933, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 15 de abril de 2014

“Jovens assim...”

.
“(...) dão à praia de Copacabana um encantamento de paraíso”. O moderno desejo da praia se desenvolveu junto com um crescente gosto pela juventude, catalisado a partir do fim da primeira guerra mundial. 9 de setembro de 1933, suplemento. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 11 de abril de 2014

“Escreveram na areia...”

.
“(...) os seus segredos, inocentes segredos de mulher”. 9 de setembro de 1933, suplemento. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 8 de abril de 2014

“Casa Simões”

.
Uma das primeiras lojas de Copacabana a comercializar artigos para praia, a Casa Simões anunciava ter recebido "diretamente de Paris, a cidade ditadora da moda feminina, o maior e mais variado sortimento de maillots, sungas, roupões, sapatos e brinquedos (...)". A loja ficava no Edifício Moreira, na antiga rua Haritoff, hoje Ronald de Carvalho. 9 de setembro de 1933, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 4 de abril de 2014

“No Arpoador”

.
“Eis aí quatro sereias de Ipanema que fugiram do banho de mar, domingo último, com receio do frio. Andaram passeando pela praia e sentaram-se em harmoniosa camaradagem, num banco do arpoador”. 9 de setembro de 1933, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 1 de abril de 2014

“Posto Quatro”

.
“Agora o banho de sol é uma realidade. Os banhistas agrupam-se. Os maillots são camaradas”. 2 de setembro de 1933, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).