Théo-Filho era um dos escritores mais lidos no Brasil nos anos 20. Seus livros e crônicas, descrevendo a boemia parisiense e os vícios da elite brasileira, escandalizavam os moralistas. Consagrado muito cedo, o romancista-jornalista se voltou para o tema da praia no Rio de Janeiro. Entre 1925 e 1940, à frente do semanário Beira-Mar, Théo-Filho foi o intelectual que mais escreveu sobre assuntos balneários. Fez a apologia das banhistas, do bronzeamento, da exigüidade dos maiôs, do verão carioca, do turismo, dos esportes, do futebol na areia, dos clubes praianos e dos postos de salvamento de Copacabana, na época em que os banhos de sol se introduziam no repertório dos divertimentos ao ar livre. Théo-Filho produziu sua contribuição à praia de banhos brasileira durante uma vasta inflexão na história dos costumes, quando mudavam os padrões sociais de apreciação da nudez dos corpos, da pele morena e do calor tropical.


sexta-feira, 28 de outubro de 2016

"Alegria em toda a linha!"

.
"(...) banho de mar à fantasia na Ponta do Caju, que esteve, segundo os seus inúmeros assistentes, animadíssimo". 22 de fevereiro de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 25 de outubro de 2016

"Alegria em toda a linha!"

.
"Um aspecto do baile dos Caiçaras, sábado último". 22 de fevereiro de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

"A piscina do Copacabana..."

.
"... coqueluche do Posto 2". Como as praias, as piscinas públicas também se ofereciam como espetáculo digno de apreciação. 15 de fevereiro de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 18 de outubro de 2016

"Sereias da praia maravilhosa"

.
"Copacabana ao sol é um cântico festivo de beleza, um hino à mulher que na sua praia se exibe em todo o esplendor primaveril". Por isso, os "tritões" não largavam suas areias... 15 de fevereiro de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

"Sereias da praia maravilhosa"

.
Moças fazendo o footing abraçadas eram expressão de uma conquista relativamente recente das mulheres: andar pela cidade desacompanhadas de maridos, pais, irmãos ou qualquer outra presença masculina. 15 de fevereiro de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 11 de outubro de 2016

"Sereias da praia maravilhosa"

.
Homens costumavam passear de chapéu e paletó no "cais" da Avenida Atlântica. 15 de fevereiro de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

"Sereias da praia maravilhosa"

.
"Maillots" da última moda se misturavam a roupas de passeio conservadoras, na Avenida Atlântica. 15 de fevereiro de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 4 de outubro de 2016

"Posto 6"

.
"No instantâneo aparece a família do nosso brilhante colega de "Vanguarda", Manzini Seroa da Motta, no último domingo no Posto 6". Era comum jornalistas festejarem colegas de profissão nas páginas dos jornais. 8 de fevereiro de 1936, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).