Théo-Filho era um dos escritores mais lidos no Brasil nos anos 20. Seus livros e crônicas, descrevendo a boemia parisiense e os vícios da elite brasileira, escandalizavam os moralistas. Consagrado muito cedo, o romancista-jornalista se voltou para o tema da praia no Rio de Janeiro. Entre 1925 e 1940, à frente do semanário Beira-Mar, Théo-Filho foi o intelectual que mais escreveu sobre assuntos balneários. Fez a apologia das banhistas, do bronzeamento, da exigüidade dos maiôs, do verão carioca, do turismo, dos esportes, do futebol na areia, dos clubes praianos e dos postos de salvamento de Copacabana, na época em que os banhos de sol se introduziam no repertório dos divertimentos ao ar livre. Théo-Filho produziu sua contribuição à praia de banhos brasileira durante uma vasta inflexão na história dos costumes, quando mudavam os padrões sociais de apreciação da nudez dos corpos, da pele morena e do calor tropical.


sexta-feira, 30 de junho de 2017

"Cine Pirajá"

.
Segundo cinema de Ipanema, recém-inaugurado pela empresa de Luiz Severiano Ribeiro. Em cartaz, “O galante Mr. Deeds”, de Frank Capra, lançado nesse mesmo ano. 26 de setembro de 1936, p. 5. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 27 de junho de 2017

"A Procissão Marítima"

.
“... da Confederação Geral dos Pescadores, durante os festejos consagrados ao Dia do Pescador”, 29 de junho, dia de S. Pedro. 19 de setembro de 1936, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 23 de junho de 2017

"Na Capital Portenha"

.
“Eros Volusia, a melhor intérprete das danças brasileiras, atualmente obtendo (...) expressivo sucesso para o nome do Brasil artístico”. 19 de setembro de 1936, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 20 de junho de 2017

"Elegância praiana"

.
“Elegantíssimo maillot Luva, a malha por excelência, última criação da Fábrica Vencedor”. 19 de setembro de 1936, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 16 de junho de 2017

"Estendendo a rede de esgotos para Ipanema"

.
“O ambiente é de serviço, muito serviço! Manilhas, bombas elétricas, betoneiras, compressores, operários que caminham de um lado para outro, transportando peças, abrindo valas (...)”. 5 de setembro de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 13 de junho de 2017

"Club dos Caiçaras"

.
Sede do clube da Lagoa Rodrigo de Freitas. 22 de agosto de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 9 de junho de 2017

"Teremos em breve um Metrô..."

.
“...ligando Copacabana à Galeria Cruzeiro?” Enquanto ouviam a promessa de construção de um metropolitano carioca, capaz de fazer o trajeto entre a Praia e o Centro em oito minutos, os leitores de Beira Mar tinham de se consolar com esta foto da estação da Independência, do Metrô de Buenos Aires. Só em 1998 seria inaugurada a primeira estação metroviária de Copacabana, Cardeal Arcoverde. 15 de agosto de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

terça-feira, 6 de junho de 2017

"Sport – Saúde – Beleza"

.
“O salto alto dos sapatos ‘elegantes’ concorre poderosamente para o prejuízo da economia feminina (digo, fisiologia)”. Mas, como reconhecia Tarso Coimbra, redator da coluna feminina de Beira-Mar, “combater o que a mulher considera elegante, mesmo que lhe seja prejudicial, é tirar parte de sua ventura...”. 8 de agosto de 1936, p. 10. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).

sexta-feira, 2 de junho de 2017

"O encanto dionisíaco das praias"

.
“Por mais irritado que esteja o espírito, na praia tende a se refazer de bom humor e volta à normalidade, à calma primitiva”. A alegria era um argumento recorrente no discurso de apologia das praias. 1º de agosto de 1936, capa. (Acervo Fundação Biblioteca Nacional).